AS 8 DICAS DE OURO PARA PASSAR NA PERÍCIA INSS

31 de janeiro de 2020 Artigos Previdenciário 0

 

Seja por motivo de doença ou em decorrência de algum acidente, é muito provável que o trabalhador algum dia em sua vida necessite afastar-se de seu serviço por determinado tempo. Nesses casos, ele poderá requerer um auxílio-doença junto ao INSS e, para tanto, precisará passar por uma avaliação médica. Como as negativas do INSS são frequentes, decidimos elaborar algumas dicas sobre o tema.

 

 ANTES DA PERÍCIA


Para agendar uma perícia no INSS, basta ligar no telefone 135 ou acessar o site da Previdência Social (https://www.inss.gov.br/). ATENÇÃO: Mesmo que você ache que o seu caso seja de uma aposentadoria por invalidez, você deve agendar um auxílio-doença, pois não existe a opção de agendamento direto para esse tipo de aposentadoria.


AS 8 DICAS DE OURO

 
1) VISTA-SE DE FORMA ADEQUADA


A perícia é um exame médico. Assim, é recomendado utilizar roupas simples e leves que permitam fazer os movimentos que o perito pedir, tais como levantar o braço, dobrar o joelho, agachar-se… Se você tiver algum problema no pé, é recomentado utilizar calçados abertos. Como se trata de um exame médico, evite usar maquiagem, brincos, colares e acessórios em
geral, principalmente se você tiver depressão. Por óbvio que não serão suas roupas que definirão seu estado de saúde; mas, como diz o ditado, “é a primeira impressão a que fica”.


2) CHEGUE CEDO 

Chegue pelo menos 15 (quinze) minutos antes do horário marcado. Confira em qual agência do INSS está marcada sua perícia e informe-se sobre como chegar ao local previamente. Se você se atrasar ou confundir em qual agência está agendada sua perícia, você não conseguirá fazê-la e deverá esperar 30 (trinta) dias até poder agendar uma nova.
 


3) LEVE TODOS OS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

No dia marcado é importante levar seu documento pessoal com foto, CPF, Carteira de Trabalho, se tiver, e documentos médicos, tais como atestados, exames e receitas. Leve também o comprovante do agendamento feito pela internet ou o número do protocolo, caso a perícia tenha sido agendada por telefone. Caso você se consulte com frequência, é interessante que pegue na clínica ou no posto que lhe atende um prontuário médico, pois nele conterá todo o seu histórico médico. Também é conveniente levar as caixas dos medicamentos que você estiver tomando, além das receitas.


Já leve os documentos organizados, preferencialmente deixando em cima os atestados mais recentes e importantes e em baixo os mais antigos, pois a perícia será muito rápida e o perito do INSS não terá tempo de ordenar seus documentos antes de analisá-los.


IMPORTANTE: Se você sofre com problemas psiquiátricos, tais como depressão e Síndrome do Pânico, é interessante ir à perícia acompanhado por algum familiar ou amigo.
 


4) SE POSSÍVEL, PEGUE UM ATESTADO NOVO


Se possível, se consulte com seu médico alguns dias antes da perícia e pegue um atestado novo. Avise seu médico que você está tentando “se encostar” pelo INSS e peça um atestado bem completo, no qual seu médico diga qual a sua doença, desde quando você vem se tratando, se você pode ou não trabalhar e por quanto tempo você tem que ficar afastado do trabalho.

Insista para que seu médico coloque no atestado um prazo estimado para seu afastamento – por exemplo, 90 (noventa) dias –, não deixando apenas para o médico do INSS fixar essa data. Se o seu médico não consegue prever um prazo de alta, peça para o mesmo colocar no atestado, ao menos, que você não tem condições de trabalhar até seu próximo retorno, o qual ocorrera em tantos meses.
 


5) RESPONDA (SÓ) O QUE O PERITO PERGUNTAR


Quem conduz a perícia é o perito! Evite chegar já falando muito, mostrando vários documentos ao mesmo tempo, pois parecerá que você está muito ansioso e desconcentrará o perito. Deixe que o médico faça as perguntas que ele entender conveniente para analisar o seu caso. Ao final, caso você ache que tenha algum fato importante que o médico não questionou, relate para ele.
 


6) COMECE PELO PIOR

Se você tem vários problemas de saúde, comece falando sobre o pior deles, aquele que mais o incomodo e o impede de trabalhar. Como dito, a perícia será rápida. Não deixe para
falar da sua doença principal apenas no final do exame, pois poderá não dar mais tempo e é bem provável que o perito já não estará mais prestando tanto atenção aos seus relatos.
 


7) FALE A VERDADE, SOMENTE A VERDADE E NADA MAIS DO QUE A VERDADE


Sempre fale apenas a verdade ao perito e nunca exagere seus sintomas, pois o perito perceberá isso com facilidade. Quando perguntado pelo perito, fale de forma clara todos os sintomas que você sente, inclusive os efeitos colaterais dos remédios que você toma.


8) RELATE COMO SUA DOENÇA AFETA SEU TRABALHO

Sempre que for responder alguma pergunta do perito do INSS, lembre-se que ele quer saber se você pode ou não trabalhar. Assim, muitas vezes não é relevante você dizer que sente dores no joelho e, por isso, não consegue mais jogar bola com seus amigos no final de semana – a menos, é claro, que você seja um jogador profissional, pois nesse caso esse fato será relevante.

Lembre-se sempre de falar quais são as suas dificuldades hoje para trabalhar.

Por exemplo, um pedreiro que não consegue se agachar para assentar piso, uma empregada doméstica que não consegue mais varrer a casa nem passar pano, uma professora que desenvolveu fobia social.

O importante é demonstrar para o perito o porquê você não consegue trabalhar no momento.
 

DEPOIS DA PERÍCIA

 
FOI MAL ATENDIDO?


Se você achar que o perito não lhe atendeu com a devida atenção – por exemplo, não quis olhar nenhum de seus atestados nem ouvir suas respostas –, não adianta discutir com o médico. Após a perícia, faça imediatamente uma reclamação na agência do INSS, preferencialmente por escrito. Você também pode acessar o site do INSS e fazer uma reclamação na ouvidoria.
 


E QUANDO VOU SABER O RESULTADO DA MINHA PERÍCIA?


Atualmente o segurado pode ligar no telefone 135 ou acessar o site do INSS para saber se ficará ou não encostado. Em geral, o resultado sai na noite do mesmo dia em que a perícia é
feita.
 


FIZ TUDO CERTO E, MESMO ASSIM, MINHA PERÍCIA FOI NEGADA! O QUE EU FAÇO?


Caso sua perícia tenha sido negada (indeferida), não se desespere. Ainda é possível recorrer na Justiça. Ajuizando uma ação, inclusive, você passará por uma nova perícia com
um médico especialista escolhido pelo juiz.

Gostou das nossas 8 dicas de ouro sobre como proceder na perícia do INSS? Compartilhe em suas redes sociais!
 
Ficou com alguma dúvida? Teve sua perícia negada? Entre em contato conosco e agende um horário.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *